Erros na construção de um currículo…

Com o fim do ano, muitos profissionais estão em busca de uma nova oportunidade ou ainda do primeiro emprego. Seja qual for a situação, ( Erros na construção ) podem e devem ser evitados na hora de montar o seu currículo.

1. Currículo Livro: Lembre-se de que você não é o único candidato à vaga e que além do seu, o recrutador terá que ler muitos outros currículos, seja breve e destaque apenas as informações relevantes para construção da sua carreira. Como regra, não ultrapasse o limite de duas páginas.

2. Endereço de e-mail: Se possível, prefira um provedor conhecido, use apenas nome e sobrenome e evite qualquer tipo de piadinha com o nome de usuário, como: “sougata@xxxx.com.br” ou “pedrolove@xxxx.com.br”. Lembre-se: antes de ler o seu currículo, o responsável pela vaga verá o seu endereço de e-mail.

3. Autoelogio: Os recrutadores são pagos para identificar as competências de cada candidato e verificar se elas são adequadas à vaga oferecida, então não tente fazer o trabalho deles e evite frases como: “Excelente habilidade de comunicação” e “Ótima liderança de equipes”.

4. Metralhadora de objetivos: Não escolha mais que duas áreas de interesse diferentes e certifique-se de que essas áreas estão alinhadas com a sua formação acadêmica e experiência anterior.

5. Erros gramaticais e ortográficos: Estes não serão tolerados e podem eliminar o candidato já nas primeiras linhas. Caso tenha dúvida em relação à grafia de alguma palavra pesquise antes de usá-la e, se possível, peça para outras pessoas revisarem o seu currículo (assim você minimiza a chance de restar qualquer erro).

6. Enxurrada de cursos extras e eventos: O currículo deve servir como um cartão de visitas, que resume as suas aptidões e qualificações. Não é um diário, por isso seja sucinto: escolha só os mais relevantes e para descrevê-los use apenas o nome do curso, da instituição e o mês e ano da conclusão.

7. Foto: Utilize APENAS se for solicitada e, nesse caso, opte por algo profissional. Sensualidade, roupas informais, exagero na maquiagem e óculos escuros nem pensar.

8. Arredondar para cima: Não é incomum que na descrição do nível de conhecimento de um idioma ou na de softwares (Excel, Word, PowerPoint, etc.) os candidatos sejam generosos consigo mesmos, dizendo saberem mais do que realmente sabem sobre determinado tema. O que muitos esquecem é que esses conhecimentos podem ser testados durante as próximas etapas do processo seletivo e que, caso a contratação aconteça, eles também serão exigidos no dia a dia de trabalho.

9. Trampolim hierárquico: O objetivo profissional escolhido deve estar alinhado com a sua atual posição ou com o próximo nível (não há nada de errado em querer subir de cargo, mas dificilmente alguém passará de analista a CEO em um único passo).

Fonte: vipvagas.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *